Friday, February 15, 2008

"Breves histórias sobre quase tudo"

Olá vocês!

Quase um mês sem nenhum post. Acho que esse foi um dos períodos de maior inadimplência da minha parte, então acho que devo uma justificativa para quem entrava aqui em busca de novas informações e encontrava o blog entregue às moscas.

Bem, é o seguinte. Para quem não sabe, além do blog, eu Bendita Januária sou designer, trabalho em uma agência de publicidade e na minha empresa de acessórios femininos de vanguarda, faço pós-graduação, gosto de sair durante a semana para encontrar os amigos, e com tudo isso o tempo ficou reduzido, mas isso nunca atrapalhou diretamente o funcionamento do blog, o problema maior tem sido a minha falta de compromisso e organização com os meus afazeres.

Além disso tudo venho passando por grandes períodos de transformação. No trabalho, muitas coisas para sempre agilizadas na empresa de acessórios, mudando de pós-graduação, planos de viagens, de mudança de cidade se tornou uma hipótese, muitos novos e interessantes amigos e muito mais. Isso tudo tem sido ótimo, de muito proveito.

Sinto que as páginas da vida viram e as novidades colocam nosso coração de ponta a cabeça.

Essa semana aconteceu um fato para lá de interessante, fui a casa onde eu morava até o final de 2006 que está sendo demolida. Quanta emoção. Uma mistura de alívio com uma vontade de chorar. Outra vontade de sorrir e as muitas lembranças de anos e anos que vivi ali. A infância em que eu podia correr pelo quintal com o Mogli (o mais adorado cão dessa eternidade) e o Bruno (meu irmão torto) e que comia banana do pé, depois veio a adolescência com as festinhas para lá de divertidas que sempre acabava com alguém indo bêbado para o parque ao lado, os namoradinhos e namoradões que por ali passaram, a família que se reunia na varanda para o almoço de domingo, os pés de manga, goiaba, carambola, limão, acerola, caju, romã, laranja e as muitas orquídeas da minha mãe. As milhões de vezes que chorei enfiada com a cabeça no travesseiro e as outras milhões que não conseguia me conter de felicidade.

Sempre imaginei que a demolição daquela casa aconteceria de forma rápida, como as torres gêmeas, mas não, é de pouquinho mesmo. Primeiro tiram tudo que pode se aproveitar: janelas, portas, telhas...e lá está a casa, estranha, faltando tantas partes de minha história.

Sensação estranha. Boa pelo que mudou para melhor, e ainda será muito mais. Ruim pela forma que está acontecendo, devagar, tirando uma parte de cada vez. Prefeira se tivesse sido tudo mais rápido.

Para ficar na memória os momentos inesquecíveis que ali vivi, fico aqui com Numb do U2. Música que teve presença marcante no meu passado.


3 comments:

L.S. Alves said...

Não gostaria de ver algo assim tão ligado ao meu passado sendo destruído. Acho que não aceitaria muito bem essa situação.
Um abraço e boa sorte com as postagens.

lux said...

poxa janu que lindo tudo isso
me emocionou!
imagino sua sensacao...eu teria a mesma se voltasse na casa onde fui criado e ve-la diferente e habitada por "estranhos" (a casa foi vendida)..se fosse demolida entao...afe!
grande beijo a voce sweetheart
lux

dani amatte said...

numb me lembra filhos da mãe
sua casa só me lembra coisas divertidas
as festinhas eram mesmo fantásticas

saudades